sexta-feira, 23 de março de 2012

'Hacktivistas' cometeram 58% dos roubos de dados

NOVA YORK, 22 Mar 2012 (AFP) - Mais da metade (58%) dos roubos de dados na internet no ano passado foi cometida por ativistas em vez de delinquentes motivados pelo dinheiro, segundo relatório anual privado publicado nesta quinta-feira nos Estados Unidos, que confirma o aumento do fenômeno do "hacktivismo".

"Estas tendências contrastam fortemente com as tendências dos últimos anos, quando a maioria dos ataques foi motivada principalmente pelo ganho financeiro", disse o relatório anual sobre vazamento de dados da gigante das telecomunicações Verizon Communications.

Os "hacktivistas", um neologismo derivado da contração das palavras "hacker" e ativista ou militante, são os piratas da informática que atuam por motivos ideológicos ou políticos.

O ano de 2011 foi marcado por diversos ataques dos movimentos Anonymous e LulzSec, tanto contra multinacionais como contra organizações governamentais, policiais ou militares.

Este novo e revigorado "hacktivismo" conseguiu invadir organizações de todo o mundo, disse o relatório da Verizon.

"Muitos, preocupados com a natureza sombria de suas origens e sua propensão a envergonhar as vítimas, consideram essa tendência mais preocupante que outras ameaças" mais convencionais, afirmou.

Mas apesar do "hacktivismo" ter motivado o maior volume de roubo de dados, os grupos criminosos que buscam benefícios econômicos representam a maioria dos ataques cibernéticos, segundo a Verizon.

O relatório divulgado pela operadora baseia-se em dados fornecidos pelas autoridades americanas, holandesas, irlandesas e britânicas.

Fonte: opovo.com.br


Um comentário:

  1. Adorei o seu blog! Só a título de curiosidade há um agregador de conteúdos chamado Agrega Pais, que é voltado para a Família e vai dos blogs de mães até blogs geeks, super diversificado, uma ótima forma de divulgar seu blog para este público específico.
    http://www.agregapais.com.br/

    ResponderExcluir

Deixe um comentário educado! Siga a política do 'se não pode dizer algo construtivo e legal, não diga nada.'