sexta-feira, 23 de junho de 2017

Polêmica! Astronauta e Cosmonauta Confessam Terem Visto OVNIs no Espaço

Imagem meramente ilustrativa
Victor Afanasyev
Desde as primeiras missões espaciais durante a corrida espacial, houve muitos rumores sobre astronautas e cosmonautas que viram naves espaciais alienígenas e criaturas extraterrestres durante seu período no espaço. Nos últimos anos, esses rumores foram confirmados pelos cosmonautas russos e astronautas americanos.

O cosmonauta Victor Afanasyev estava a caminho de acoplar com a estação espacial soviética Salyut 6 em 1979, quando de repente viu um objeto não identificado voar em direção à sua nave e começar a segui-lo através do espaço. Era um objeto que foi projetado por uma civilização extraterrestre, feita de algum tipo de metal, com 40 metros de comprimento.

Durante esses encontros, Afanasyev tirou várias fotografias da nave alienígena e estava em constante comunicação com o controle terrestre.

Depois de sua missão, ele foi interrogado, e foi-lhe dito para não revelar nada do que tinha testemunhado. As câmeras com as fotografias foram confiscadas.

Cobra espacial

Dr. Story Musgrave
Dr. Story Musgrave é um veterano de 6 missões de ônibus espacial dos EUA. Ele tem seis diplomas acadêmicos, é médico e matemático, e fez parte dos fuzileiros navais daquele país.

Agregado a isso, ele tem uma das mais misteriosas histórias de OVNI já contadas por um astronauta. Durante uma entrevista de 1994, ele disse que havia visto uma espécie de cobra espacial em 2 de suas missões espaciais. A criatura seguiu o ônibus por um tempo e estava claramente viva por causa de seu movimento. A cobra tinha de 2,00 a 2,50 metros de comprimento. O Dr. Musgrave conseguiu capturar esta criatura em filme. Ele não tem certeza se este organismo deve ser rotulado como uma entidade extraterrestre ou não. É possível que essa criatura tenha se originado da Terra e tenha ido até o espaço.

(Para informações de como ativar a legenda em português, embora esta não seja precisa, clique aqui):


PICATRIX - O Mais Antigo e Misterioso Livro de Magia Descoberto


Picatrix é um trabalho de composição que sintetiza trabalhos mais antigos sobre magia e astrologia.Uma das interpretações mais influentes sugere que ele deve ser considerado como um "manual de magia talismânica". Pesquisadores o resumem  como "a exposição mais completa da magia celestial em árabe", indicando as fontes para o trabalho como  textos sobre Hermetismo, Sabedoria, Islamismo, alquimia, astrologia e magia produzidos no Oriente Médio nos séculos IX e X dc.

O Picatrix é amplamente considerado como sendo o mais antigo livro de magia. Originalmente escrito em árabe, o Picatrix foi um dos primeiros textos e mais importantes escritos sobre magia astrológica. Ele também detém a distinção de ser um dos maiores grimoires na história. Embora seja impossível confirmar quem realmente escreveu, é frequentemente atribuído ao matemático andaluz Ahmad Al-Majriti.

O livro Foi traduzido para o latim em 1256 e se tornou extremamente influente na magia ocidental, sendo usado até mesmo por magos do Renascimento, como Cornelius Agrippa e Marsilio Ficino. Continha feitiços que variavam desde  "como destruir uma cidade com o Ray of Silence" para "como influenciar os homens à distância." O texto também tinha uma lista de imagens mágicas e detalhada de seus usos. Frequentemente este assumiria a forma de gravura as imagens de estrelas em objetos específicos.

  • "O primeiro capítulo trata da nobreza da sabedoria, porque no tratado primeiro falo da esfera celeste e dos corpos da esfera celeste, referidos na composição dos talismãs. E como projetam os astros seus raios sobre este planeta. Também cito conceitos misteriosos que os sábios tinham reservados por avareza e mesquinhez no princípio do tratado." 
  • "O segundo tratado é sobre os modelos astronômicos e suas obras, a manifestação dos segredos de seus feitos que os sábios ocultaram os modelos de como a magia influência neste mundo chamado "mundo do ser" e a corrupção através do mundo etéreo; e sobre o motivo que levou Platão a falar de protótipos. "
  • "O terceiro tratado é sobre a participação dos astros nos três reinos, pois no mundo do ser e da corrupção nada senão eles atuam porque as reminiscências é absurdo que sendo fluídicas produzam efeito. Assim que ao sobra nada senão eles. Faço referência na relação de uns com os outros para que se alcance com ela os efeitos mágicos buscados, pela influência da temperatura Elemental ou da temperatura natural e de seu peso específico, quer dizer que uma mistura que se utiliza para perfumar não tem porquê fazer devolver a comida nem a bebida."
  • "O quarto tratado é sobre a magia dos curdos* (naturais do Curdistão), dos Nabateus e dos etíopes, com receitas para efetuar prestidigitações, que são a melhor espécie de magia."
  • O Picatrix, primeiramente trata das características dos astros em cada determinada posição, benigna ou nefasta, ângulo, relação com outros astros, relacionando essas características com o processo de realização de talismã para variados fins. 

Depois o autor faz uma correspondência dos astros com entidades físicas do mundo "do ser e da corrupção", como cores, pedras, animais, dias da semana, horas, tecidos e entre outros...

Além disso, ele cita diversos contos nabateus, curdos, egípcios e indianos como material de estudo. Nesses contos dá exemplos fantásticos e maravilhosos sobre as antigas cidades e reinos, talismã que protegiam as cidades e os reis, sempre aconselhando o leitor a guardar esses segredos.

Ele cita várias vezes para guardar esses segredos, que não são feitos para todos, que os anciões o ocultaram das pessoas...

Cita também técnicas para potencializar a mediunidade e o presságio.

Fala das propriedades das plantas.

Fonte

O Caso Bizarro da Mulher Tóxica - [VÍDEO]

Trata-se de uma situação real ocorrida na Califórnia, que, de tão estranha, chegou a inspirar episódios de “Arquivo X” e “Grey’s Anatomy”.


Tudo começou em 19 de fevereiro de 1994, quando uma paciente com  câncer de colo de útero avançado, chamada Gloria Ramírez, ingressou na emergência desorientada e com palpitações. Ao tentar uma desfibrilação, os médicos observaram uma camada oleosa sobre o tórax da mulher e sentiram um forte cheiro, semelhante a alho, emanar dela. Nesse momento, os médicos começaram a se sentir fracos e tontos até caírem desmaiados, um atrás do outro. 

Felizmente, alguns poucos médicos conseguiram resistir ao estranho efeito provocado pela condição dessa mulher “tóxica” (como seria chamada posteriormente pelos médicos) e deram prosseguimento ao atendimento. Pouco tempo depois, Gloria faleceu por uma obstrução renal. 

Foram 23 os funcionários do hospital que apresentaram apneias, pancreatite, hepatite, tremores e necrose vascular depois de atender a mulher. Uma equipe de patologistas, especializada no manuseio de materiais perigosos, encarregou-se da autópsia, e, após alguns dias de pesquisa, o Laboratório Nacional de Lawrence Livermore apresentou sua hipótese: “a mulher tóxica” pode ter usado dimetilsulfóxido (DMSO), um solvente utilizado como remédio caseiro para a dor. Trata-se de um gel que é colocado sobre a pele, o que explica o odor que os médicos sentiram e a substância oleosa no tórax da paciente. 

A teoria dos médicos é que a substância se acumulou no organismo por causa da obstrução renal e se converteu em dimetil sulfona (DMSO2) após darem oxigênio à mulher. Em seguida, as descargas elétricas da desfibrilação acabaram transformando a substância em sulfato de dimetilo (DMSO4), um gás venenoso e potente. Os efeitos da exposição a esse gás correspondem aos sintomas apresentados pelos médicos afetados. Por isso, essa é uma explicação plausível para o evento misterioso.