segunda-feira, 24 de março de 2014

PRANAYAMA - A Arte da Respiração


A palavra pránáyáma é composta de dois radicais: prana que significa bio-energia, alento primordial, energia vital e yama que significa domínio. Literalmente, pránáyáma quer dizer domínio da bio-energia.

Nos textos clássicos do Yôga, emprega-se o termo com diferentes significados mas todos eles giram em torno do que acabo de mostrar. A definição que explica melhor o significado é a seguinte: pránáyáma é a parte do Yôga que trata do domínio das energias psíquicas mediante a regulação do movimento respiratório.

Os yogis afirmam que quando o domínio do movimento respiratório é conseguido com perfeição, consegue-se a faculdade de governar à vontade todas as forças inerentes à natureza do homem, adquire-se o domínio completo do funcionamento interno do corpo, desenvolvem-se novas faculdades mentais.

PRANA é força vital do Universo. É o princípio de todo o dinamismo, força e movimento. No homem, é dessa força vital que é feito o corpo sutil, diferente do físico, mas graças ao qual se realizam todos os fenômenos energéticos do organismo. Regulam as relações que se desenvolvem dentro do indivíduo e as que se realizam entre este e o mundo. É o substrato vital, energético, de todas as funções orgânicas e psíquicas. É o elemento dinamizante de toda a espécie de substâncias. Prana é o princípio sutil da energia atuante no mundo fenomênico. Está mais além da percepção normal do homem, mas como tantas outras coisas que ele não pode perceber, segundo seu funcionamento habitual, faz parte integrante da imensa riqueza e variedade da criação.

O homem extrai PRANA de diversas fontes: do Sol, do Ar, dos Alimentos, etc..., embora não seja nenhum dos elementos físicos ou químicos que os compõem. Circula através dos milhares de nadis ou canais sutis que constituem substancialmente o corpo sutil e se armazena nos ou centros que, por sua vez, são as estações especializadas diversos chakras encarregadas da distribuição prânica por todo o organismo psíquico.

O que se veio a chamar "força nervosa" não é senão uma das manifestações do Prana. A vitalidade de uma pessoa, sua irradiação sua irradiação magnética, sua "personalidade", são expressões de prana. A quantidade de Prana que maneja um indivíduo constitui seu verdadeiro capital energético. A sutil fisiologia indiana assinala a existência de cinco "ares vitais" ou vayús principais que, também recebem o nome genérico dos cinco pranas vitais. São: prana, apana, vyana, samana e udana. Os mais significativos de todos eles são prana e apana.

Prana, em seu verdadeiro sentido, como primeiro vayú, é a energia da função absorvente, atrativa, integradora: tira do ambiente a energia que o indivíduo necessita, principalmente , através do ar inalado.

Apana é a força vital de ação propulsora, expulsiva, desintegradora: expele os elementos que não necessita, que o estorvam. Sua função no aspecto fisiológico manifesta-se, principalmente nas excreções: urina, matérias fecais e emissão de sêmen.

Vyana é o ar vital que penetra todo o corpo e faz circular a energia derivada do alimento e da respiração em todo o corpo.

Samana é o prana situado na região gástrica. Sua função é a digestão.

Udana é o prana situado na garganta e sua função é a deglutição. Um dos ares vitais que penetra o corpo humano suprindo-o de energia vital. Também situado na cavidade toráxica, controla a entrada do ar e dos alimentos.

A finalidade imediata do Yôga através do pránáyáma é a união, harmonia ou equilíbrio destas duas energias: prana e apana. O ponto que une ou separa ambas as energias ou movimentos é precisamente o kumbhaka (retenção) ou ponto neutro, tanto o interno como o externo. Daí, sua importância no Yôga.


Cada estado de consciência tem seu quadro completo de ritmo de todas as funções. Daí que, no mudar, por exemplo, o ritmo respiratório, produz-se automaticamente a correspondente mudança das demais funções. O tipo da respiração de uma pessoa alegre caminha sempre junto com a mesma euforia afetiva e a mesma produtividade mental(salvo, é claro, diferenças individuais); a pessoa ativa, criadora mas serena e equilibrada tem um ritmo respiratório que é próprio dessas qualidades e qualquer pessoa que respire do mesmo modo(basicamente), sentir-se-á igual. Claro está que falamos de uma respiração estável, contínua, convertida em automática e não de uma determinada instância em que se respire de um ou de outro modo.

OS EFEITOS DA RESPIRAÇÃO

Nos alvéolos pulmonares ocorrem o intercâmbio gasoso. Aumenta a pressão interna no tórax e no abdomen que produz maior afluência do sangue numa e noutra região, com o consequente estímulo do trabalho cardíaco. A respiração promove o transporte do oxigênio e do anídrido carbônico no interior do corpo, realiza constante massageamento do coração e dos órgãos e vísceras abdominais por causa dos movimentos rítmicos da respiração. Promove a transformação dos sangue venoso em arterial, regulariza o equilíbrio ácido-base no organismo, torna possível a combustão orgânica, altera o humor e o estado emocional, influencia os atos do pensar, fornece ao organismo grande parte da energia vital de que necessita estimulando os intercâmbios nutritivos das células, tecidos e órgãos de todo o corpo.

SIGNIFICADO PSICOLÓGICO DA RESPIRAÇÃO

A inspiração é o primeiro ato do homem ao nascer. A respiração é um ato vital que a pessoa executa como um todo. Com a respiração, estabelece sua primeira relação com o exterior. O primeiro ato do homem é, pois, um ato de natureza social. Pela respiração, o homem mantém contato permanente e ininterrupto com o mundo que o rodeia, num intercâmbio vital de primeira necessidade.

A respiração vem a ser a atividade vital que mantém o homem no mundo através de seu aparelho respiratório. A respiração se realiza através de dois níveis diferentes: o nível consciente ou voluntário e o nível inconsciente, automático ou involuntário.

Existe uma estreita relação entre a personalidade profunda ou nível inconsciente e a respiração profunda, assim como entre a respiração superficial e a personalidade consciente ou superficial.

Respiração profunda refere-se a uma autêntica profundidade, que quer dizer, também, totalidade. Em geral, o homem não sabe o que seja respirar profundamente confundindo-o com o inspirar com muita força, com encher os pulmões sob pressão, com risco de prejudicar inclusive seu próprio organismo.

Para respirar profunda e totalmente é necessário que não haja impedimento algum na livre entrada e saída do ar, de acordo com a verdadeira capacidade e necessidade do indivíduo. Exige que os movimentos de inspiração e expiração funcionem sem inibição alguma, consciente ou inconsciente. Respirar totalmente implica em relacionar-se inteiramente com o mundo que nos rodeia, sem temores, restrições ou reservas, com todo nosso ser. Se há tensões emocionais reprimidas, existem também contrações musculares inconscientes que impossibilitam qualquer ação livre. É toda a pessoa que respira e não apenas seus pulmões e seu diafragma; é toda a pessoa que se expressa biologicamente através da respiração, como em qualquer outro aspecto vital e, se a pessoa, em seu íntimo está reprimindo algo, necessariamente se expressará reprimindo também a sua respiração.

O homem, geralmente, não sabe e não pode respirar totalmente. Perdeu ou distorceu o profundo e sadio automatismo da respiração correta. Por debaixo de sua respiração superficial, a única de que é consciente, o homem está realizando uma retenção de ar quase permanente, que não é outra coisa senão uma expressão fisiológica de sua perturbação emocional, de seu inconsciente egocêntrico. Análogo mecanismo é encontrado nas perturbações do aparelho digestivo.

Existe uma evidente relação entre os níveis superficiais e os profundos da respiração como existe também entre o inconsciente e o consciente psicológicos.

Se a respiração superficial se aprofunda, ambos os níveis põe-se em contato, estabelecendo-se uma comunicação direta entre os mesmos, produzindo-se uma verdadeira transfusão de energia do inconsciente para o consciente, com o que não somente diminui a tensão e o gasto energético que esta exige, mas também, ao mesmo tempo, aumenta o capital energético do "eu consciente". Este vai assim, ampliando-se e aprofundando-se: as energias que alimentavam a personalidade subconsciente incorporam-se, então à consciência vígil, o que se sente como uma extraordinária sensação de alívio, de descanso e ampliação da mente, dos afetos e da vontade; numa palavra: como fecunda expansão de consciência.

A respiração é, portanto, o único processo que, sendo profundamente vegetativo, automático e inconsciente, pode, ao mesmo tempo fazer-se regular e dirigir-se conscientemente com a vontade. Neste fato particular que a natureza coloca à nossa disposição, os yogis viram, há vários séculos, um meio para poder penetrar, diretamente com a mente, nesses níveis profundos e manejar, libertando-as da inconsciência, as energias psíquicas do mundo vegetativo e do inconsciente.

TIPOS E FASES DA RESPIRAÇÃO

Segundo a região mais trabalhada pode ser superior, média, diafragmática ou completa. Segundo o volume do dar inspirado pode ser superficial ou profunda. A respiração pode ter frequência rápida, lenta, irregular ou rítmica. As fases da respiração são: inspiração, expiração e suspensão(pausa). A polaridade pode ser positiva ou negativa.


RESPIRAÇÃO EM GERAL

A prática dos exercícios de ásanas(posições) e de pránáyáma(controle do alento) produz uma mudança definida na respiração habitual. A maior elasticidade dos pulmões e do aparelho muscular respiratório conseguida com os exercícios traduz-se por uma respiração muito mais profunda. Entra maior quantidade de oxigênio no fim do dia o que aumenta a purificação do sangue e, por conseguinte, revitaliza-se todo o organismo. Acentua-se a ação da massagem mecânica produzida pelos movimentos da inspiração e da expiração sobre o coração, estômago, pâncreas, fígado, rins e intestinos, graças a que as funções desses órgãos ficam eficazmente estimulados. A saúde melhora rapidamente. Transtornos funcionais de vários tipos são prontamente corrigidos e eleva-se o tônus vital de todo o organismo em geral.


ALGUMAS TÉCNICAS RESPIRATÓRIAS BÁSICAS

a)ARDHA PRANA KRIYA - (Respiração abdominal)

Inspire projetando o abdomem para fora. Retenha o ar por alguns segundos. Expire projetando o abdomem para dentro. Mantenha a coluna ereta e com as mãos em jnãna mudrá.

É o melhor exercício de ação sedativa sobre o sistema nervoso. Nele predomina, de modo natural, a expiração, de ação eminentemente vagotônica. Elimina todas as tensões e contrações abdominais, facilitando o trabalho a todo aparelho digestivo. Proporciona o estado de repouso e do relaxamento da musculatura dando descanso ao aparelho locomotor e ao sistema nervoso central. É a respiração ideal como exercício especial das pessoas super excitadas, tensas, preocupadas, hiperativas.

b) RESPIRAÇÃO EMBRIONÁRIA

O objetivo principal deste exercício respiratório é procurar obter uma longa vida.

A respiração embrionária é auto-suficiente. Realiza um processo preparatório para concentração mental e contemplação. Sentado em qualquer posição de meditação, manter a respiração encerrada no diafragma de maneira a que um pêlo colocado entre o nariz e a boca não se mova.

c)CHANDRA PRÁNÁYÁMA

Sente-se em qualquer ásana confortável. Conserve cabeça, o pescoço e o tronco numa linha reta. Feche a narina direita com o polegar direito. Inspire lentamente através da narina esquerda, durante o máximo de tempo que puder. Faça-o confortavelmente. Expire depois muito lentamente pela mesma narina.

d)SURYA PRÁNÁYÁMA

Feche a narina esquerda com os dedos minguinho e anular da mão direita e inspire e expire através da narina direita. Faça-a lentamente.

e) PRANA KRIYA

devem estar em jñana mudrá. Inspire projetando o abdomem para fora. Continue inspirando e expandindo o tórax lateralmente e elevando os ombros e tombando a cabeça para trás, inspire o máximo. Permaneça o máximo de tempo sem forçar nada e comece a expirar lentamente. Abaixa a cabeça, os ombros e recolhe o abdomem esvaziando os pulmões por completo. Repetir sem chegar ao cansaço físico.

A respiração completa ou integral exercita todos os músculos, cartilagens e articulações do aparelho respiratório, assim como é evidente alcançarem os pulmões sua máxima elasticidade, atua eficazmente sobre o sistema circulatório, aparelho digestivo, sistema nervoso e glandular; desenvolve a capacidade e o hábito de respirar de modo profundo, completo e espontâneo e, por fim, produz os efeitos psicológicos que descrevemos antes. Maneja-se assim, maior quantidade de oxigênio sem outras consequências senão a de elevar o tônus vital, que repercute favoravelmente em todas as funções físicas e psíquicas em geral.

Observações:

A prática abusiva e incorreta dos exercícios de pránáyáma pode produzir graves transtornos físicos e psíquicos principalmente do tipo nervoso, cardíaco e pulmonar.

Os exercícios de pránáyáma produzem efeitos muito intensos e reais e é preciso usar de grande prudência e sentido comum para sua prática adequada.

Boa saúde, clara percepção do assunto, vida moral elevada, discernimento, capacidade de auto-observação, prudência e decisão são os requisitos básicos que é necessário reunir quem queira praticar os exercícios de pránáyáma sem qualquer risco.


f) VAMAH KRAMA(respiração alternada)

Inspire pela narina esquerda e exale pela narina direta. Não retenha a respiração. Depois, inspire pela narina direita e expire pela narina esquerda. Isso completa um ciclo. Repita de seis a dez vezes no início.

Após um mês de práticas respiratórias, retenha a respiração o máximo de tempo que puder fazê-lo sem desconforto. Isso se chama kumbhaka (retenção).

g)SUKHA PURVAKA (respiração alternada com bioritmo)

Inspire profundamente pela narina esquerda, depois retenha a respiração sem fazer força e a seguir expire lentamente pela narina direita. Agora, inspire pela narina direita, retenha a respiração e máximo que puder fazê-lo confortavelmente e depois expire pela narina esquerda. Utilize o bioritmo 1:4:2 podendo aumentar gradativamente para 16:64:32.

h) SHAVÁSANA PRÁNÁYÁMA

Deite-se de costas. Relaxe o corpo e a mente. Inspire profundamente e retenha a respiração sem fazer força e expire lentamente. Repita OM mentalmente enquanto estiver inspirando, retendo a respiração e expirando. Você se sentirá como novo.


i) BHÁSTRIKA

Sente-se numa posição firme e agradável com as mãos em jñana mudrá. Inspire e expire muito rapidamente, com ruído, durante dez segundos. Depois, inspire profundamente e expire lentamente. Isto perfaz um ciclo. Faça seis ciclos. O bhástrika gera calor e é especialmente indicado no inverno. A prática prolongada deste pránáyáma pode curar asma e a tuberculose.


j) KAPALABHATI

O kapalabhati é semelhante à bhástrika mas neste, a expiração é feita com uma súbita e vigorosa expulsão de ar. A inspiração deve ser mais lenta e sem ruído. Este respiratório consta como um exercício de kriya nas obras de Hatha Yôga. É um exercício que desobstrui as vias respiratórias. Tem o mesmo efeito curativo que o bhástrika.


k) UJJAYI

Inspire lentamente pelas duas narinas de maneira suave e uniforme, prenda a respiração o máximo de tempo que puder e expire por ambas as narinas. Ao inspirar e expirar, feche parcialmente a glote. Um som suave e uniforme se produzirá. Este exercício tira o calor da cabeça, aumenta o fogo gástrico e pode curar doenças da garganta e dos pulmões.

l) SITKARI

Coloque a ponta da língua na parte superior da boca, no palato, com a boca levemente aberta, aspirar com suavidade. Pode ser feita também com a ponta da língua entre os dentes e aspirando suavemente o ar produzindo um som sibilante. Exale pelas narinas.

Este exercício aumenta a beleza física do praticante e dá vigor ao corpo. Dissipa a fome, sede, indolência e o sono.

m) SITALI

Colocando a língua em forma de calha entre os dentes semi-serrados e adiantando um pouco além dos lábios. Aspire o ar pela boca com um ruído sibilante igual a "si". Retenha o ar tanto quanto seja possível com comodidade. Expire lentamente pelas narinas.

Este pránáyáma purifica o sangue, elimina a sede e a fome, esfria o organismo. É indicado para dispepsia, inflamação do fígado, febre, má digestão e desordens biliares.

n) BHRAMARI

Sente-se em padmásana ou siddhásana. Inspire rapidamente pelas fossas nasais imitando o som de um zangão. Expire rapidamente por ambas fossas nasais imitando o zumbido de uma abelha.

A descrição do bhramari pránáyáma de acordo com o Gheranda Samhita é a seguinte: Feche os ouvidos com os polegares. Inspire pelas fossas nasais retendo o ar nos pulmões tanto quanto possível e exale por ambas fossas nasais. Este exercício deverá ser praticado num lugar calmo e livre de ruídos pela noite.

o) MURCHA

Sente-se em padmásana. Inspire profundamente e retenha o ar realizando o Jalandhara Bandha(pressão do queixo contra o peito). Permaneça o máximo de tempo. Expire lentamente. Este pránáyáma insensibiliza a mente e dá felicidade.

p) PLAVINI

Fechar a glótis e absorva o ar, pouco a pouco até encher o estômago. O ar pode ser expulso do estômago através da prática do Uddiyana Bandha.

q) RAJAS PRÁNÁYÁMA

Variante no. 1 - Inspirar elevando os braços até a altura dos ombros e após suave retenção, expirar lentamente baixando os braços.

Variante no. 2 - Inspirar elevando os braços até acima da cabeça. Tombe a cabeça para trás. Permaneça pelo menos 10 segundos. Expire lentamente baixando os braços sincronizando o movimento dos braços com a expiração.

Promove uma oxigenação perfeita e desperta a consciência do corpo e da respiração.

r) KUMBHAKA(retenção)

Existem dois tipos de kumbhakas: sahita e kevala.

Sahita é aquela que se relaciona com a inspiração e expiração. Kevala é exclusivamente retenção sem importar-se com o ritmo. No Kevala Kumbhaka não se regula nem a inspiração nem a expiração. Durante a prática do Kumbhaka, a mente deverá concentrar-se no Purusha ou no Ájña Chakra, o ponto entre sobrancelhas.

s) SOPRO "HÁ"

De pé, com as pernas ligeiramente afastadas, relaxe o corpo. Inspire profundamente pelas narinas elevando os braços, simultaneamente, até acima da cabeça. Sem dobrar os joelhos, abaixe vigorosamente e rapidamente os braços e o tronco emitindo a sílaba "há" bem alto. Permaneça alguns segundos assim e depois retorne a posição inicial. Durante o sopro, solte a garganta e o diafragma. Repetir 3 a 10 vezes.

Elimina impurezas e resíduos pulmonares. Promove a descontração interior.

t) RESPIRAÇÃO PARA FORTALECER OS NERVOS

De pé, com as pernas afastadas na largura de um ombro, expire. Agora, inspire elevando os braços a frente até a altura dos ombros. Cerre os punhos com força. Mantendo os pulmões pleno de ar, contraia os braços com vigor, trazendo os punhos de encontro aos ombros três vezes. Quando levar os braços para frente para depois contrair, leve os braços resistindo como se estivesse que vencer uma grande resistência contrária ao movimento. Fazer devagar e com grande esforço até a ponto de tremer. Ao expirar, baixe os braços afrouxando-os e deixando cair suavemente.

Aumenta a resistência do sistema nervoso. Dá segurança interior e aumenta as faculdades mentais.



Um comentário:

Deixe um comentário educado! Siga a política do 'se não pode dizer algo construtivo e legal, não diga nada.'